Placas em Porcelana de Lao Ya Tan

por Sebastião Pimenta

O distrito de Lao Ya Tan na cidade de Jingdezhen é conhecido como o principal produtor de placas e azulejos artesanais usando pasta de porcelana. São centenas de estúdios que se dedicam exclusivamente à confecção destes produtos. Nos últimos anos, no entanto é crescente o numero de ateliês de pintura que estão se instalando na mesma área, fato devido principalmente à facilidade em transportar e queimar as peças depois de queimadas. Alguns estúdios que produzem os azulejos também disponibilizam espaços para que artistas possam fazer a pintura decorativa no mesmo local. As pinturas podem ser feitas na peça ainda crua sob vidrado, sobre o esmalte já aplicado e também sobre a placa já queimada usando tintas e pigmentos para baixa temperatura. É comum também encontrar no mesmo distrito entalhadores especializados em baixo e alto relevo. Ceramistas contemporâneos vêm buscando as placas de porcelana de Lao Ya Tan como suporte para seus trabalhos, trabalhando no local ou mesmo transportando-as para seus estúdios particulares.

A técnica de confecção de placas em porcelana de Lao Ya Tan não difere muito das técnicas empregadas no Brasil. As dimensões podem variar de alguns poucos centímetros ate 4 metros de comprimento. Podemos descrever de forma geral o processo em etapas, sendo elas:

1- Preparo da Massa. A pasta de porcelana é colocada em um suporte de madeira centralizada ocupando a parte central da mesma. Guias de madeira são colocadas nas duas extremidades. As guias servem para definir a espessura das placas. Um sulco é feito no sentido longitudinal da placa, formando uma espécie de “canal”.
2- Abertura da Placa. Sobre o “canal” feito anteriormente na massa, é colocado um cano de metal. Dois artesãos um em cada extremidade do cano fazem este rolar de um lado para o outro. Ate que a massa fique na altura definida pelas guias de madeira colocadas anteriormente.
3- Secagem da Placa. Este pode ser o grande segredo para evitar que as placas se trinquem ou deformem durante o processo de secagem. A placa previamente confeccionada é colocada para “firmar” ou secar parcialmente em uma estrutura semelhante a uma grande mesa ou estrado de madeira, com cerca de 10 a 20Cm de profundidade na qual foi colocado caulim prensado. Esta estrutura que vou chamar aqui de “cama de caulim” permite que a placa seque uniformemente sem deformar e trincar.
4- Secagem Final da Placa. Após a placa perder parte de sua umidade. É transportada para uma placa de madeira que foi previamente pulverizada com alumina. Com uso de um gabarito ou réguas de madeira, a placa é cortada no formato desejado. Em alguns estúdios, as placas são colocadas umas sobre as outras, em outros casos, são colocadas individualmente uma em cada placa de madeira.
5- Polimento da Placa. Depois de completamente seca, a placa é polida ou lixada com o uso de laminas de metal. É comum o uso de laminas largas de estiletes. A superfície é lixada e raspada ate que fique completamente lisa.
6- Esmaltação. Os esmaltes mais comuns são do tipo celadon esverdeado ou o transparente. Estes são aplicados com uso de pistola e compressor.
7- Queima. A queima é feita em fornos a gás, as placas de porcelana são colocadas deslizando-as do suporte de madeira diretamente para dentro do forno nas placas refratarias. Devido ao uso de esmalte celadon, a queima é por redução.

Queima Vertical

Existe um segundo método de queima onde duas placas são coladas na posição vertical formando uma espécie de trapézio. Para a confecção de peças para este tipo de queima o processo é similar ao descrito anterior. Porem após a secagem parcial na “cama de caulim”, as placas são cortadas e montadas na forma de um trapézio, tendo as laterais fechadas e mais duas tiras no interior. Usa-se um tipo de barbotina fraca para a colagem, esta deve se soltar após a queima com algumas batidas nas extremidades. A estrutura do conjunto evita que as placas deformem durante a secagem final e a queima. O transporte e montagem do forno é mais simples que o primeiro processo.

Grandes Placas de Porcelana

Em Lao Ya Tan existe um mestre chamado Liu Ri Chu, ou simplesmente Liu Laoban como é conhecido. Um chinês magro de baixa estatura, com seus 43 anos. Faz placas e azulejos há mais de 20 anos. Liu Laoban nos últimos 4 anos vem se especializando em fazer grandes placas, é impressionante e inacreditável o tamanho das placas que são feitos em um galpão sem muita estrutura, terra batida e iluminação inadequada. São placas de 4 metros de comprimento por dois de largura, com espessura de 1.5Cm aproximadamente. Segundo informações de outros artesãos, Liu é o único que consegue produzir placas nesta dimensão em toda a região. O próprio mestre com toda a sua simplicidade, diz não saber se na China existe outra pessoa que também faz o mesmo tipo de trabalho que ele.

O Processo e Técnica de Liu Ri Chu

1- Limpeza e Preparo do local. A placa de madeira assim como a “cama de caulim” são limpas e umedecida para receber a pasta de porcelana. Caulim é pulverizado na “cama”, espalhado com uso de uma régua de madeira e depois umedecido novamente.
2- Preparo da Massa. 20 blocos de porcelana marombados à vácuo e pesando cada um aproximadamente 25 quilos, são “batidos”e unidos um ao outro no sentido do comprimento da placa de madeira.
3- Unindo os Blocos. Após unidos previamente, o grande rolo de massa de porcelana deve ser rolado para que todas as extremidades de cada bloco fiquem bem aderido um ao outro. Três funcionários são responsáveis para esta atividade.
4- Abertura do Canal no Rolo de Porcelana. Um tecido de algodão é colocado bem esticado sobre o suporte de madeira. Dois funcionários são responsáveis por esta função, o tecido molhado e esticado não deve deixar dobras ou vincos em sua superfície. O grande rolo de porcelana é rolado para o centro do suporte e um funcionário abre o “canal” usando os pés e o próprio corpo como ferramenta.
5- Abertura da Placa. 12 pessoas são necessárias para abrir a Placa. Mestre Liu fica na extremidade do cano, próximo à guia de madeira, para controlar a espessura e a própria abertura da massa. O movimento de rolar o cano é preciso e sincronizado, abre-se um lado primeiro, do centro ate a extremidade e depois o processo se repete para o outro lado da placa.
6- Transporte da Placa. O suporte de madeira é transportado ate a “cama de caulim” onde é virada de uma única vez, transferindo a placa para a mesma. O suporte de madeira e o tecido são retirados e pequenos reparos são feitos na superfície da placa de porcelana que é deixada para secar parcialmente.

por Sebastião Pimenta

Confira as fotos abaixo:

Publicado porSimone Chacham